em , ,

R na Prática – Parte 19

Gráficos em R

1.3  Sistema gráfico tradicional

Neste item, expõe-se as funções gráficas disponíveis no R e que permitem a construção dos mais variados tipos de gráficos. Existem dois tipos de funções gráficas: alto nível que cria um gráfico; baixo nível que adiciona feições a um gráfico previamente criado (Paradis, 2005, p. 36).

Funções gráficas de alto nível

Existem quase três dezenas de funções gráficas de alto nível (Paradis, 2005, p. 40-41), mas as 12 consideradas mais relevantes pelo Autor são tratadas neste item (Tabela P19.1).

Estas funções geram saídas gráficas completas, as quais em princípio não precisam de elementos adicionais. Entretanto, nem sempre o desenho gerado por uma função de alto nível contém toda a informação necessária. Nesses casos, pode-se acrescentar elementos gráficos suplementares que procuram melhorar a comunicação do resultado obtido. Os gráficos gerados por programas comerciais fechados são sempre iguais, em termos de dimensões, símbolos e cores utilizados.

Entre as funções de alto nível, a função plot() vai ser apresentada em detalhes, pois segundo Murrel (2012, p. 26) é a mais importante. De acordo com esse autor, a função plot() proporciona a forma mais simples de se obter uma plotagem completa em linguagem R.

Tabela P19.1: Funções de alto nível mais importantes no sistema gráfico tradicional.

Referências bibliográficas

Murrell, P. 2012. R graphics. Boca Raton, CRC Press. 505p.

Paradis, E. 2005. R for beginners. Montpellier, Institut des Sciences de l´Évolution. 72p. https://cran.r-project.org/doc/contrib/Paradis-rdebuts_en.pdf. Acessado em 03/04/2020.

Próximo artigo

A função plot() será descrita em termos dos seus argumentos e um exemplo de aplicação. Trata-se da função mais empregada no sistema gráfico tradicional, pois além de gerar desenhos completos, pode ser utilizada também para a definição de uma área de plotagem para confecção de desenhos a partir de primitivas gráficas (linhas, segmentos, pontos etc.) da linguagem R.

Jorge Kazuo Yamamoto

Escrito por Jorge Kazuo Yamamoto

Prof. Dr. Jorge Kazuo Yamamoto, fundador da Geokrigagem, é geólogo, foi pesquisador do IPT e docente do Instituto de Geociências da USP, onde se aposentou como Professor Titular do Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental. Atualmente, atua como Professor Sênior do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo – Escola Politécnica – USP. É responsável pela disciplina “Métodos geoestatísticos” na Pós-Graduação do IPT – Investigação do subsolo: Geotecnia e Meio Ambiente. Dedica-se ao ensino de geoestatística, com ênfase no desenvolvimento de algoritmos e pesquisa de novas aplicações, tais como: variância de interpolação, cálculo da variância global de depósitos minerais e correção do efeito de suavização da krigagem. Ultimamente, seu interesse está voltado para o ensino e divulgação da linguagem R.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que aprender Geoestatística?

Geoestatística